Servidor confirma irregularidades na compra da Covaxin

Publicada em 09/07/2021 às 16:26
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

William Amorim Santana, servidor que trabalha na área de importação do Ministério da Saúde, disse aos senadores da CPI da Pandemia que identificou várias irregularidades no contrato de compra da vacina indiana Covaxin.

Santana deu depoimento hoje, sexta-feira 9 de julho na comissão. Ele era subordinado a Luís Ricardo Miranda, irmão do deputado Luís Miranda, do DEM-DF, que alertou o presidente Jair Bolsonaro em 20 de março sobre suspeita de corrupção na importação do imunizante.

Luís Ricardo Miranda disse aos senadores em 25 de junho que sofreu pressão anormal dos superiores hierárquicos do Ministério da Saúde para apressar a compra da Covaxin. Um dos apontados por ele nessa pressão foi o ex-diretor de Logística Roberto Ferreira Dias.  

A empresa indiana que produz a Covaxin é a Bharat Biotech, representada no Brasil pela Precisa Medicamentos, do lobista Francisco Emerson Maximiano, o Max. A CPI ainda não marcou data para o depoimento de Max.