Regulação energética no Brasil desafia lei da oferta e da procura

Brenno Grillo
Publicada em 27/01/2022 às 16:39
Rodney Costa/Zimel Press/Folhapress Foto: Foto de parte da hidrelétrica de Furnas, em Capitólio (MG).

Hidrelétricas brasileiras estão jorrando água sem que isso gere energia por conta das chuvas, que aumentaram os reservatórios. Enquanto isso, o governo descarta reduzir a bandeira tarifária de escassez hídrica, que adiciona a cobrança de R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) sobre o valor pago pelos consumidores nas faturas de luz.

A explicação do governo para essa contradição está no custo para gerar energia elétrica adicional com termelétricas em 2021, para evitar uma crise de abastecimento. Uma fonte do setor elétrico disse ao Bastidor que essa situação poderia ter sido evitada se a gestão Jair Bolsonaro "tivesse feito redução compulsória de consumo em maio [do ano passado]".

Mas, mesmo que o governo Bolsonaro tivesse racionado energia no ano passado, o problema do custo da eletricidade no Brasil não estaria resolvido (nem de longe). Especialistas em regulação do setor afirmaram ao Bastidor que o problema está nas limitações do mercado, que dá liberdade apenas aos grandes consumidores.

César Rezende, advogado que atua no setor elétrico, explica que um dos problemas são os contratos para comprar energia, especialmente junto a termelétricas. Isso porque a aquisição é feita com antecedência em alguns casos, pois é preciso importar gás para abastecer a planta energética.

"A compra independe do real uso da energia gerada pela térmica, que é necessário durante as secas. Assim, mesmo usando as hidrelétricas, é preciso pagar a diferença de valor entre essa energia mais barata e a contratada anteriormente para enfrentar as secas", afirma o especialista; complementando que o empresariado brasileiro, principalmente o do setor elétrico, "precisa de um choque de capitalismo".

O ex-diretor da Aneel Edvaldo Santana detalha que o modelo com as termelétricas deveria privilegiar as usinas flexíveis, pois algumas dessas plantas podem ser acionadas até um dia antes do prazo em que é necessário complementar o abastecimento de energia.

Santana também questiona a efetividade do mercado regulado de energia no Brasil, que é voltado aos pequenos consumidores. Ele destaca que a tarifa no mercado livre - que atende os grandes consumidores - "chega a ser entre 30% e 40% mais barata". "Hoje há mais de 200 empresas no Brasil que vendem energia", diz. 

Só que a falta de planejamento não se resume às termelétricas, vale também para a energia gerada com a força dos rios. Tiago Lobão, advogado que também atua no setor elétrico, lembra que governos anteriores leiloaram projetos de usinas movidas a fio d'água, que são aquelas sem reservatório, como as de Santo Antônio e Jirau. 

"Um investimento gigantesco para gerar energia só quando tem água", critica.

Publicitário condenado no mensalão cumpria prisão domiciliar desde 2020, por causa da pandemia. Ele foi condenado a mais de 37 anos de prisão por crimes como corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Leia Mais

O presidente da Câmara, Arthur Lira, disse ontem ao ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, que o prazo para que o governo e a Aneel cheguem a uma solução para a revisão do aumento da energia elétrica (o reajuste chega a até 25%) se encerra amanhã.

Leia Mais

Na disputa para ganhar a chance de perder em outubro, ninguém vence João Doria - ao menos em disposição. 

Leia Mais

Será a primeira – e provavelmente única – privatização de uma grande empresa estatal na administração de Jair Bolsonaro, caso ele não seja reeleito.

Leia Mais

Depois de ter pedido negado no STF, advogado do presidente decidiu pedir investigação de Moraes à Procuradoria-Geral da República.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro avisou a seus aliados que pretende denunciar o ministro Alexandre de Moraes à Corte Interamericana de Direitos Humanos. Ele se diz perseguido.

Leia Mais

Amigos de Michel Temer, com a sua autorização, passaram a vender, para ver se cola nos partidos de centro, a ideia de que o ex-presidente poderia ser uma solução viável e competitiva para as dificuldades de se ter um candidato único da chamada terceira via.

Leia Mais

Filhos do ex-governador da Bahia Paulo Souto, ex-secretário do agora candidato a governador, mantêm contrato de mais de 200 milhões de reais com a prefeitura de Salvador, que vem sendo renovado sem licitação.

Leia Mais

Ministro considerou que condutas do colega apontadas como criminosas pelo presidente da República não poderiam ser enquadradas dentro da Lei de Improbidade Administrativa.

Leia Mais

Ao menos duas ações populares protocoladas nesta semana pelos sindicatos dos trabalhadores urbanitários pedem à justiça federal que suspenda o processo de privatização da Eletrobras em julgamento no Tribunal de Contas da União.

Leia Mais

A capitalização da Eletrobras, se bem sucedida, expulsará apaniguados do MDB e do PT que prosseguem empregados na vasta estrutura da estatal.

Leia Mais

Em conversa ontem (segunda) com o deputado Reginaldo Lopes, postulante à vaga do Senado por Minas Gerais, Lula pediu ao aliado que chegue a um acordo com o PSD no estado.

Leia Mais

A Aeronáutica fez circular entre seus militares um ofício no qual afirma que a filiação partidária é proibida ao efetivo em serviço ativo. É sabido, mas de acordo com fontes ouvidas pelo Bastidor, é documento serve para lembrar a proibição.

Leia Mais

Arthur Lira é um político pragmático. Para chegar a presidente da Câmara, ele contou com o apoio de partidos da direita e de esquerda. Por sua reeleição, pretende fazer o mesmo no ano que vem.

Leia Mais

Em dezembro de 2021, invasão deixou os sistemas instáveis por semanas, prejudicando o acompanhamento de dados imprescindíveis para o acompanhamento da pandemia e de outros atendimentos oferecidos pelo SUS.

Leia Mais