Os nomes para a economia de Bolsonaro

Publicada em 04/04/2021 às 06:00
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O cansaço do ministro Paulo Guedes com as dificuldades que enfrenta no governo e no Congresso aumentou a especulação sobre quem pode ser seu sucessor. A saída do ministro da Economia pode também significar a volta da estrutura anterior com os três ministérios do Planejamento, da Indústria e Comércio Exterior e do Trabalho. O centrão defende esse desmembramento.

O nome mais citado nas bolsas de apostas para o lugar de Guedes é o do presidente da Caixa Pedro Guimarães. Não é o preferido do mercado financeiro, mas é o mais próximo de Jair Bolsonaro atualmente, inclusive participa de algumas lives semanais do presidente.

Líderes do mercado financeiro toleram Guedes enfraquecido, mas querem Roberto Campos Neto se a troca for inevitável. Ouve-se em Brasília que ele não quer substituir Guedes, por quem tem respeito e admiração. O presidente do Banco Central está nas listas de apostas porque mostrou muita habilidade política e conquistou corações no centrão.     

Outro nome menos citado é o do presidente da Febraban, Isaac Sidney Ferreira, ex-diretor do Banco Central. Assessores militares do Palácio do Planalto citaram ele como candidato caso o chefe tenha que escolher um novo ministro da Economia.