O risco na privatização da Eletrobras

Diego Escosteguy
Publicada em 12/05/2022 às 06:00
Bento Albuquerque saiu pelos fundos. Pode ter levado a privatização da Eletrobras junto. Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

A saída repentina de Bento Albuquerque do governo pôs em risco a privatização da Eletrobras, segundo fontes à frente da operação. Discretamente, o ex-ministro de Minas e Energia havia assumido parte relevante das tratativas junto a ministros do Tribunal de Contas da União. Liderava as articulações do governo para assegurar que a corte viesse a destravar o processo de privatização.

A última etapa do julgamento do TCU sobre a operação está prevista para a próxima semana. Até ontem (quarta), a cúpula do Ministério de Minas e Energia e diretores da Eletrobras esperavam que a corte aprovasse a privatização, apesar da resistência dos ministros ligados a Lula e ao MDB.

A demissão de Bento espantou todos os envolvidos - ninguém esperava a exoneração dele. E colocou em dúvida o sucesso do governo no julgamento do TCU. As incertezas surgiram não apenas pela saída de um ministro que tinha bom diálogo político com o tribunal. Apareceram também pela natureza da mudança nas Minas e Energia.

A ascensão de Adolfo Sachsida, apadrinhado de Paulo Guedes, deu o sinal político de que a pasta de Minas e Energia está subordinada ao ministro da Economia. E, no decorrer do até agora tumultuado processo de privatização, Guedes foi belicoso publicamente com os ministros do TCU. De acordo com fontes no tribunal e no governo, o estilo agressivo do ministro custava caro a quem se dedicava a aprovar a operação Eletrobras. Cada declaração crítica de Guedes custava dez cafés de Jorge Oliveira, o principal homem do Planalto no TCU, com seus colegas, de modo a distensionar as relações entre as duas partes.

Com Guedes assenhorado do Ministério de Minas e Energia e do processo de privatização da Eletrobras, cessa a interlocução qualificada dos técnicos da área com os técnicos do TCU - uma interlocução necessária para que o julgamento chegue a bom termo. Esse diálogo era possível graças ao trabalho político de cima, que envolvia Bento. Sem uma diretriz política nítida, e na ausência de responsáveis pelo diálogo entre ministros, nada anda. O resultado se viu ontem, quando o plenário do TCU, liderado por Vital do Rêgo, opositor da privatização, aprovou uma fiscalização adicional na Eletrobras.

No Ministério de Minas e Energia, em que a operação Eletrobras é a prioridade número um, dois e três deste ano, prevalece a perplexidade. Ninguém se mexe ainda, como é natural após um abalo político desse tamanho. A maioria não sabe se fica no cargo.

Com a iminência do julgamento no TCU, essa paralisia, ainda que momentânea, pode custar a privatização da Eletrobras. Todos sabem que ministros com Vital do Rêgo e Bruno Dantas estão a um deslize do governo para conseguir mais tempo antes do julgamento definitivo do processo. E mais tempo, na visão do governo, significa impedir a privatização da Eletrobras.

Publicitário condenado no mensalão cumpria prisão domiciliar desde 2020, por causa da pandemia. Ele foi condenado a mais de 37 anos de prisão por crimes como corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Leia Mais

O presidente da Câmara, Arthur Lira, disse ontem ao ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, que o prazo para que o governo e a Aneel cheguem a uma solução para a revisão do aumento da energia elétrica (o reajuste chega a até 25%) se encerra amanhã.

Leia Mais

Na disputa para ganhar a chance de perder em outubro, ninguém vence João Doria - ao menos em disposição. 

Leia Mais

Será a primeira – e provavelmente única – privatização de uma grande empresa estatal na administração de Jair Bolsonaro, caso ele não seja reeleito.

Leia Mais

Depois de ter pedido negado no STF, advogado do presidente decidiu pedir investigação de Moraes à Procuradoria-Geral da República.

Leia Mais

O presidente Jair Bolsonaro avisou a seus aliados que pretende denunciar o ministro Alexandre de Moraes à Corte Interamericana de Direitos Humanos. Ele se diz perseguido.

Leia Mais

Amigos de Michel Temer, com a sua autorização, passaram a vender, para ver se cola nos partidos de centro, a ideia de que o ex-presidente poderia ser uma solução viável e competitiva para as dificuldades de se ter um candidato único da chamada terceira via.

Leia Mais

Filhos do ex-governador da Bahia Paulo Souto, ex-secretário do agora candidato a governador, mantêm contrato de mais de 200 milhões de reais com a prefeitura de Salvador, que vem sendo renovado sem licitação.

Leia Mais

Ministro considerou que condutas do colega apontadas como criminosas pelo presidente da República não poderiam ser enquadradas dentro da Lei de Improbidade Administrativa.

Leia Mais

Ao menos duas ações populares protocoladas nesta semana pelos sindicatos dos trabalhadores urbanitários pedem à justiça federal que suspenda o processo de privatização da Eletrobras em julgamento no Tribunal de Contas da União.

Leia Mais

A capitalização da Eletrobras, se bem sucedida, expulsará apaniguados do MDB e do PT que prosseguem empregados na vasta estrutura da estatal.

Leia Mais

Em conversa ontem (segunda) com o deputado Reginaldo Lopes, postulante à vaga do Senado por Minas Gerais, Lula pediu ao aliado que chegue a um acordo com o PSD no estado.

Leia Mais

A Aeronáutica fez circular entre seus militares um ofício no qual afirma que a filiação partidária é proibida ao efetivo em serviço ativo. É sabido, mas de acordo com fontes ouvidas pelo Bastidor, é documento serve para lembrar a proibição.

Leia Mais

Arthur Lira é um político pragmático. Para chegar a presidente da Câmara, ele contou com o apoio de partidos da direita e de esquerda. Por sua reeleição, pretende fazer o mesmo no ano que vem.

Leia Mais

Em dezembro de 2021, invasão deixou os sistemas instáveis por semanas, prejudicando o acompanhamento de dados imprescindíveis para o acompanhamento da pandemia e de outros atendimentos oferecidos pelo SUS.

Leia Mais