O risco na privatização da Eletrobras

Diego Escosteguy
Publicada em 12/05/2022 às 06:00
Bento Albuquerque saiu pelos fundos. Pode ter levado a privatização da Eletrobras junto. Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

A saída repentina de Bento Albuquerque do governo pôs em risco a privatização da Eletrobras, segundo fontes à frente da operação. Discretamente, o ex-ministro de Minas e Energia havia assumido parte relevante das tratativas junto a ministros do Tribunal de Contas da União. Liderava as articulações do governo para assegurar que a corte viesse a destravar o processo de privatização.

A última etapa do julgamento do TCU sobre a operação está prevista para a próxima semana. Até ontem (quarta), a cúpula do Ministério de Minas e Energia e diretores da Eletrobras esperavam que a corte aprovasse a privatização, apesar da resistência dos ministros ligados a Lula e ao MDB.

A demissão de Bento espantou todos os envolvidos - ninguém esperava a exoneração dele. E colocou em dúvida o sucesso do governo no julgamento do TCU. As incertezas surgiram não apenas pela saída de um ministro que tinha bom diálogo político com o tribunal. Apareceram também pela natureza da mudança nas Minas e Energia.

A ascensão de Adolfo Sachsida, apadrinhado de Paulo Guedes, deu o sinal político de que a pasta de Minas e Energia está subordinada ao ministro da Economia. E, no decorrer do até agora tumultuado processo de privatização, Guedes foi belicoso publicamente com os ministros do TCU. De acordo com fontes no tribunal e no governo, o estilo agressivo do ministro custava caro a quem se dedicava a aprovar a operação Eletrobras. Cada declaração crítica de Guedes custava dez cafés de Jorge Oliveira, o principal homem do Planalto no TCU, com seus colegas, de modo a distensionar as relações entre as duas partes.

Com Guedes assenhorado do Ministério de Minas e Energia e do processo de privatização da Eletrobras, cessa a interlocução qualificada dos técnicos da área com os técnicos do TCU - uma interlocução necessária para que o julgamento chegue a bom termo. Esse diálogo era possível graças ao trabalho político de cima, que envolvia Bento. Sem uma diretriz política nítida, e na ausência de responsáveis pelo diálogo entre ministros, nada anda. O resultado se viu ontem, quando o plenário do TCU, liderado por Vital do Rêgo, opositor da privatização, aprovou uma fiscalização adicional na Eletrobras.

No Ministério de Minas e Energia, em que a operação Eletrobras é a prioridade número um, dois e três deste ano, prevalece a perplexidade. Ninguém se mexe ainda, como é natural após um abalo político desse tamanho. A maioria não sabe se fica no cargo.

Com a iminência do julgamento no TCU, essa paralisia, ainda que momentânea, pode custar a privatização da Eletrobras. Todos sabem que ministros com Vital do Rêgo e Bruno Dantas estão a um deslize do governo para conseguir mais tempo antes do julgamento definitivo do processo. E mais tempo, na visão do governo, significa impedir a privatização da Eletrobras.

O comitê de reeleição de Jair Bolsonaro discute três possibilidades de agenda para marcar o início da campanha de rua, a partir do dia 16: Aparecida do Norte, Juazeiro do Norte ou Juiz de Fora.

Leia Mais

As manifestações pela democracia nesta quinta-feira, em São Paulo, são históricas, mas não têm poder de gerar impacto significativo na eleição. O que elas mostram é que Bolsonaro tem menos tolerância para um golpe.

Leia Mais

Depois de ser condenado pelo TCU a devolver R$ 2,8 milhões em diárias, ex-procurador também viu o STJ confirmar a indenização por danos morais a Lula, por causa do PowerPoint em que acusava o petista de chefiar o esquema do petrolão.

Leia Mais

O presidente consultou seus auxiliares sobre uma possível implicação jurídica e política de um veto ao aumento de 18% nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, que aprovaram o reajuste na manhã de ontem, 10.

Leia Mais

A ministra foi eleita ontem à Presidência do STF sob uma expectativa aparentemente inatingível: preservar a legitimidade e autoridade da corte máxima do país durante as eleições mais tempestuosas desde a redemocratização. 

Leia Mais

Ministro votou em processo que julga a publicidade dos dados dos candidatos. Partiu dele a iniciativa que escondeu detalhes sobre o patrimônio dos candidatos nessas e nas eleições passadas. Para Fachin, manutenção de tais dados viola a LGPD.

Leia Mais

Corte decidiu pedir ao Congresso aumento salarial de 18% a ser pago em quatro parcelas. Assim, o salário dos ministros chegará a 46,3 mil reais. Ainda não há estimativa do impacto do efeito cascata do aumento.

Leia Mais

Patrimônio declarado pelo presidente à Justiça Eleitoral cresceu apenas 1,34% durante os últimos quatro anos, ante uma inflação acumulada de 28,7% no período.

Leia Mais

Governador declarou neste ano à Justiça Eleitoral um patrimônio 34,2% menor do que possuía em 2018. Apesar disso, ele ainda é sócio do pai em várias empresas, incluindo a gestora de marcas da Rede Massa, empresa de comunicação com emissoras de rádio e TV e afiliadas em vários estados.

Leia Mais

Beneficiado pelo fim das investigações sobre o esquema de rachadinhas, Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, quer voltar à Alerj como deputado estadual.

Leia Mais

Jair Bolsonaro determinou a seus auxiliares e colocou no comando da operação o seu zero um, o senador Flávio Bolsonaro, que dissuadam Roberto Jefferson de sua candidatura para presidente.

Leia Mais

Carlos Bolsonaro convenceu o pai de que o ministro Alexandre de Moraes mira a impugnação de sua candidatura ao marcar para dia 12 a análise de recursos inquérito das fake news.

Leia Mais

Ministros que consideraram ilegais as diárias pagas à força-tarefa da Lava Jato gastaram, em um ano, cerca de R$ 1 milhão em passagens e diárias em viagens pelo mundo.

Leia Mais

A pobreza de Lula

09/08/2022 às 18:00

Ex-presidente declarou à Justiça Eleitoral que tem hoje menos de 10% dos ativos atrelados a ele, segundo provas reunidas por investigadores. Patrimônio também se reduziu quando comparado ao que ele declarou em 2018.

Leia Mais

Num período de crise econômica, o presidente da Câmara, Arthur Lira, aumentou seu patrimônio em mais de 3 vezes, segundo sua declaração ao Tribunal Superior Eleitoral.

Leia Mais