Empresa apoiada pelo governo para ganhar contrato no Aeroporto de Guarulhos tem ligação com PT

Publicada em 29/01/2021 às 11:15
Foto: Mauro Pimentel/Folhapress

O Grupo Coester, sediado no Rio Grande do Sul, é o proprietário do projeto Aeromovel. Eles hoje disputam com o consórcio da alemã DCC com a construtora Passareli a obra e os monotrilhos que vão ligar o Aeroporto de Guarulhos à linha 13 do metrô. O protótipo Aeromovel pode ser visto apenas em um lugar: no Aeroporto de Porto Alegre - e graças ao governo da petista Dilma Rousseff.

Foi na gestão no PT que a empresa assinou contrato com o Ministério das Cidades, o que viabilizou o desenvolvimento do protótipo. A ex-presidente Dilma tinha amizade com o fundador da empresa, Oskar Coester. Na inauguração do aeromovel, em agosto de 2013, Dilma fez questão de dar o passeio inicial no vagão ao lado do então governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro. 

Mas, de lá pra cá, apenas esse projeto saiu do papel com um histórico de problemas. Outro projeto que seria inaugurado em Canoas naufragou. Esse também contou com a parceria do então prefeito petista Pepe Vargas.

A GRU Airport, empresa responsável pela administração privada do Aeroporto de Guarulhos, não quis assumir o risco de contratar a operação de uma tecnologia que possui apenas um protótipo. Técnicos avaliaram que seria irresponsável confiar a operação e a segurança de 30 milhões de passageiros num modelo experimental.