Bolsonaro não pode culpar apenas os céus por crises hídrica e energética

Brenno Grillo
Publicada em 02/11/2021 às 06:54
Foto: Raul Spinassé/Folhapress

Em sua última live presidencial, no dia 28, Jair Bolsonaro deu "graças a Deus" pelas chuvas dos últimos dias, mas ressaltou que ainda "precisa chover mais" para que não haja racionamento em 2022 - a medida foi cogitada neste ano, mas descartada após o aumento dos níveis pluviométricos. 

Antes disso, a preocupação com a falta de água e energia foi tamanha que até apelos ao sobrenatural foram feitos. O governo procurou a Fundação Cacique Cobra Coral em busca de auxílio xamânico para a água cair do céu, já esperando o crescimento no consumo - que em setembro aumentou 5,5% na comparação do acumulado dos últimos 12 meses com o período imediatamente anterior.

Bolsonaro pode até pedir aos céus, mas sempre soube dos riscos de crises hídrica e energética no Brasil. O presidente também tem noção de que esses problemas nasceram da falta de planejamento.

Um exemplo disso foi Bolsonaro dizer que reduziria a bandeira tarifária e depois ser publicamente contrariado por Bento Albuquerque. O ministro de Minas e Energia negou qualquer mudança na conta de luz. No fim das contas, baixou-se o preço da cobrança apenas de consumidores inscritos em programas sociais.

Relatórios da Agência Nacional das Águas (ANA) e da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) alertam para riscos de falta d'água e de energia desde que a Presidência da República passou pelas mãos de PT e MDB.

A ANA já citava em 2018 o registro de "recordes (maior seca do histórico) de seca nas RHs [Regiões Hidrográficas] do São Francisco, Parnaíba, Tocantins-Araguaia, Atlântico Leste, Atlântico Nordeste Oriental e Atlântico Sudeste". Naquele ano, a agência também alertou que, em 2017, "cerca de 38 milhões de pessoas foram afetadas por secas e estiagens no Brasil".

Em 2019, primeiro ano da gestão bolsonarista, novo aviso da ANA. A agência disse ao governo recém-empossado que, em 2018, 51% das mais de 5,5 mil cidades brasileiras decretaram situação de emergência ou estado de calamidade pública por conta da seca - há três anos, ainda de acordo com o órgão, 43 milhões de pessoas sofreram com a falta de chuvas no Brasil.

O mesmo cenário de falta de planejamento pode ser visto no setor de energia, que depende diretamente da quantidade de água. Até dezembro de 2019, segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico, dos 162 GW de capacidade instalada no Sistema Interligado Nacional (SIN), 63% vinham de hidroelétricas, 14% de termoelétricas e usinas nucleares e 23% de outras fontes, como biomassa, eólica e solar.

Ainda em 2018, a EPE apontava para um crescimento médio anual de 3,8% da carga sobre o Sistema Interligado Nacional até 2023 - todas as projeções consideraram a crise econômica vivida pelo país desde 2016, ou seja, em momento algum são consideradas oscilações por criação de nova demanda, somente a retomada de padrões anteriores.

Para 2021, o ONS prevê 4,6% de aumento da carga - essa projeção, diz o órgão, considera "um incremento do PIB de 5,0%", o que já foi descartado por bancos e economistas.

As soluções - sempre de médio e longo prazo - são as mesmas sugeridas desde os governos petistas: investimento em equipamentos de maior eficiência (tanto na produção quanto na distribuição de eletricidade), além de melhor discussão prévia e análise técnica para acelerar o licenciamento ambiental de hidrelétricas.

Mas, mesmo com previsão de baixo crescimento econômico, o Brasil tem muito o que resolver sobre o aproveitamento de água e energia. Dados de 2019 do instituto Trata Brasil mostram que 39,2% de toda a água potável consumida no país foi perdida no trajeto entre as unidades de tratamento e residências.

Para contornar essas deficiências, o Congresso, com forte apoio do governo, aprovou o marco regulatório do saneamento. Mas a ideia, que busca maior participação da iniciativa privada no setor, é de longo prazo, levando décadas até reduzir consideravelmente essa deficiência.

Especificamente sobre o consumo de energia, a solução no curto prazo continua no uso de termelétricas. Porém, medidas como essa tendem a ser cada vez mais mal vistas - a COP26, na Escócia, é exemplo da preocupação global com o clima. Tanto que o Brasil se comprometeu em reduzir 50% das emissões de gases de efeito estufa até 2030. Só falta saber se essa meta será cumprida.

A entrada de Sergio Moro na disputa presidencial com dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto preocupou pedetistas, que passaram a pressionar o presidente da legenda, Carlos Lupi, a formar uma aliança com o ex-presidente Lula.

Leia Mais

A principal avaliação do ex-governador Geraldo Alckmin para definir onde se filiar é se terá alianças que lhe garanta uma candidatura competitiva ao governo do estado de São Paulo.

Leia Mais

Ao lado de Arthur Lira, o presidente do Senado disse ao tribunal ser impossível identificar quais parlamentares patrocinaram cada uma das emendas RP9, que compõem o orçamento secreto. 

Leia Mais

Futuro presidente do União Brasil, resultado da fusão entre o PSL e o DEM, Luciano Bivar informou a ACM Neto e ao ex-ministro Luiz Henrique Mandetta seu desejo de disputar a Presidente da República pelo novo partido.

Leia Mais

Fernando Collor escapou do STF. A corte não terminou de julgar hoje as ações sobre o marco do saneamento e o caso em que o senador é acusado de receber propina para influenciar decisões da BR Distribuidora será julgado em data ainda indefinida.

Leia Mais

A 2ª Turma do STF pode decidir na próxima terça-feira (30) o destino da investigação do MPRJ contra Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas em seu gabinete quando estava na Alerj. A decisão sobre o caso no colegiado já foi adiada duas vezes: uma por Gilmar Mendes e outra por Kassio Nunes Marques.

Leia Mais

Um deputado da base aliada notou a diferença de tratamento dado nessa semana ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Leia Mais

A fé de Kassab

25/11/2021 às 15:31

Gilberto Kassab tem um ritual diário: garantir a interlocutores políticos que é real e genuína sua fé na candidatura de Rodrigo Pacheco à Presidência.

Leia Mais

A pré-candidatura de Simone Tebet à Presidência da República é um movimento dos chefes do MDB para fortalecer o partido nas negociações eleitorais de 2022.

Leia Mais

O TCU exigiu ontem (24) que União, governo de Mato Grosso e prefeitura de Cuiabá a se entendam em até 60 dias e decidam o destino do VLT (prometido para a Copa de 2014) que ligaria o aeroporto internacional, em Várzea Grande, à capital do estado. A obra iniciada em 2012 está parada há quase 7 anos sem previsão de solução.

Leia Mais

Arthur Lira e Rodrigo Pacheco voltaram a um nível de entendido desde a semana passada: o de que é preciso preservar ocultos os nomes de parlamentares beneficiados com as emendas secretas, as chamadas RP9.

Leia Mais

O julgamento das ações que discutem trechos do Marco Legal do Saneamento começa efetivamente, como a leitura do voto do relator, Luiz Fux. Fontes do setor privado ouvidas pelo Bastidor esperam uma vitória "de lavada" no STF.

Leia Mais

Empresários brasileiros não se preocupam com a proeminência cada vez maior que Xi Jinping tem tido no Partido Comunista Chinês. Fontes ligadas tanto ao setor privado brasileiro quanto ao governo chinês disseram ao Bastidor que a prioridade do empresariado é reforçar os laços comerciais.

Leia Mais

A determinação de Arthur Lira para aprovar brevemente a PEC que aumenta a idade de 65 para 70 anos a idade máxima de nomeação de juízes e ministros dos tribunais superiores é fruto de uma articulação para barrar o nome de André Mendonça.

Leia Mais

Frederick Wassef e o senador Flávio comemoram - houve até festa em estilo havaiano - desde o fim de semana: cumpriu-se a profecia do conselheiro da família Bolsonaro.

Leia Mais