Banco Central e Bolsonaro enxergam realidades diferentes

Arnaldo Galvão
Publicada em 23/03/2021 às 09:43
Foto: Agif/Folhapress

Os diretores do Banco Central e o ministro da Economia Paulo Guedes enxergam uma realidade diferente da relatada pelo presidente Jair Bolsonaro. Fazem questão de dizer que, sem vacinação e controle da pandemia, não haverá recuperação da economia. A ata da reunião do Comitê de Política Monetária foi mais um sinal dessa contradição.

O Copom alerta que ainda não há dados dos impactos do recente e agudo aumento no número de casos de Covid-19, o que aumenta a incerteza sobre o crescimento neste primeiro semestre. Apesar disso, os diretores do BC acreditam que uma reversão econômica devida ao agravamento da pandemia seria bem menos profunda que a do ano passado. 

“O segundo semestre pode mostrar uma retomada robusta da atividade, na medida em que os efeitos da vacinação sejam sentidos de forma mais abrangente”, afirmaram os integrantes do Copom.

Enquanto isso, Bolsonaro e seus seguidores nas redes sociais negam a realidade. No Brasil, a vacinação está atrasada e o presidente contestou, no STF, medidas de isolamento social determinadas por governadores. Ele ainda não exonerou o general Eduardo Pazuello do cargo de ministro da Saúde, mas já cobrou do sucessor dele, Marcelo Queiroga, a verificação dos dados repassados pelos Estados sobre o aumento das mortes por Covid-19 e se há colapso hospitalar.